Dezembro 05, 2022
Ouça a Rádio Arca aqui!
USA

Após resposta negativa do público, Disney demite CEO que impôs ideologia de gênero Featured

Após resposta negativa do público, Disney demite CEO que impôs ideologia de gênero Cegonha (Foto: Reprodução/Canva)

 

A reprovação do público à ideologia de gênero nos filmes e séries da Disney, incluindo personagens infantis, levou a empresa a uma crise que resultou na demissão do diretor-presidente, Bob Chapek.

O comunicado da demissão de Bob Chapek e o retorno do antigo diretor-presidente, Bob Iger, foi informado à imprensa no último domingo, 20 de novembro, pela presidente do Conselho de Administração da empresa, Susan Arnold.

Chapek foi diretor-presidente por apenas dois anos, período no qual radicalizou políticas internas de estímulo ao progressismo, incluindo cotas raciais na contratação de profissionais e temas associados ao ativismo LGBT+ na programação das diferentes empresas do grupo Disney.

Nesse meio tempo, Chapek entrou em rota de colisão com o governador da Flórida, Ron DeSantis, do Partido Republicano (atualmente uma das maiores lideranças conservadoras nos EUA), recentemente reeleito.

Enquanto o diretor-presidente da Disney se opunha às leis da Flórida que protegem crianças do ativismo, a reação do público foi sentida pela empresa: o número de assinantes do Disney+ despencou, e a bilheteria de vários filmes – como por exemplo, Lightyear, da Pixar – ficou abaixo do esperado.

O mercado financeiro, de olho na queda de receita da empresa e no aumento de gastos, também reagiu, levando as ações da Disney a uma queda de 41%, uma destruição do legado de Bob Iger, o antigo diretor-presidente que alavancou o valor do grupo em 5 vezes quando esteve no comando.

Ao longo dos 15 anos que comandou a Disney, Bob Iger adquiriu empresas como Pixar, Marvel, Lucasfilm e 21st Century Fox, e lançou os serviços de streaming Disney+ e ESPN+, de acordo com informações da revista Oeste.

No comunicado sobre a demissão de Chapek, o conselho de administração informou que essa decisão foi tomada à medida que a empresa “embarca em um período cada vez mais complexo de transformação da indústria”, acrescentando que “Bob Iger está em uma posição única para liderar”.

O jornalista Christopher Rufo, membro do Manhattan Institute, disse no Twitter que a demissão de Chapek foi resultado da “luta desastrosa” dele contra o governador Ron DeSantis, que levou ao “colapso” do número de assinantes do Disney+ nos EUA, e também uma queda na aprovação do público e no preço das ações.

A demissão de Chapek é uma “enorme repreensão à política dos woke (“despertos”, termo usado para se referir aos ativistas progressistas nos EUA)”, definiu Rufo. “Outras causas contribuíram (economia, saturação de streaming), mas o tempo sugere que eles pagaram um preço pela luta de DeSantis”, acrescentou.

 

Creditos: Gospel+

Rate this item
(0 votes)
Last modified on Terça, 22 Novembro 2022 11:57

Latest Tweets

RT @ASachsida: O bandido te rouba e diz: perdeu mane. Você vai a delegacia dar queixa ao delegado (que também é o juíz e o procurador) que…
RT @Amaro_Coronel: Interferência estrangeira nas eleições brasileiras é crime previsto no CPB. A eleição está, por mais um motivo, sob susp…
RT @jairbolsonaro: https://t.co/SVApB0y6LY
Follow Otávio Guilherme on Twitter

Post Gallery

A Rádio Arca em seu celular 24 horas

Anjos - a natureza dos anjos

Filho de líder ateísta se converte e hoje é pastor

Coluna do “pórtico de Salomão” é desenterrada em Jerusalém

Eu Colherei - Remix por DJ Adelson

Leitura da Bíblia cresce perto do Natal, indica pesquisa

Visita de Trump a Israel pode ter consequências proféticas

Teólogo pede que cristãos não esqueçam: “A Ressurreição mudou tudo”

Após atentado islâmico, versículos bíblicos tomam ruas de Londres